ir parar home > Blog > Depilação a Laser x Depilação a Luz Pulsada – Entenda as diferenças
3 abr

Depilação a Laser x Depilação a Luz Pulsada – Entenda as diferenças

Quem procura por métodos duradouros para retirada dos pelos já se deparou com uma dúvida cruel: depilação a luz pulsada ou a laser? Ambos os tratamentos entregam excelentes resultados, mas existem diferenças notáveis entre eles.

Ao contrário do que você já pode ter visto por aí, a depilação a laser e a depilação a luz pulsada estão dentro da mesma categoria: a fotodepilação. O nome “foto” significa luz, que atinge a raiz do pelo e suas células germinativas para destruí-las.

Todo o processo também tem a ver com o fototipo da pele, ou seja, quanto mais melanina tiver o pelo e quanto mais ele contrastar com a pele, melhor será o resultado nos dois tipos de fotodepilação.

Quer entender melhor a diferença entre os procedimentos? Continue a leitura e saiba tudo sobre o assunto!

Como funcionam os métodos de fotodepilação?

O principal contraste entre a depilação a luz pulsada e a depilação a laser está na intensidade da luz. A forma como a luz é aplicada, as variações na sensibilidade e o número de sessões oscilam de um tratamento para outro.

Depilação a luz pulsada

Na depilação a luz pulsada, a luz é liberada em flashs policromáticos, regulados conforme o tipo de pele e de pelo. Com a luz pulsada, é possível variar a intensidade e o comprimento da luz de acordo com as características da pele e do pelo, gerando o calor adequado para cada pessoa que faz o tratamento. Dessa forma, a possibilidade de uma depilação duradoura é expandida para muitos mais fototipos, ou seja, para as diferentes tonalidades de pele.

Depilação a laser

O laser libera luz monocromática. Isso implica um tratamento um pouco mais agressivo, limitando a aplicação a determinados fototipos de pele e características de pelo. Como o laser atinge camadas mais profundas da pele, o número de sessões pode ser menor. Por outro lado, essa agressividade aumenta o risco de ter queimaduras e atingir terminações nervosas, o que provoca dor durante o tratamento.

Quais são as principais dúvidas sobre a depilação a luz pulsada e a depilação a laser?

Livrar-se da depilação com cera, lâmina, cremes depilatórios, entre outros métodos pouco eficientes, é o sonho de qualquer um. Além de não durarem quase nada, várias dessas alternativas favorecem o aparecimento de manchas na pele, pelos encravados, foliculite e até queimaduras.

Por isso, os métodos de depilação duradouros são ótimas opções para dar segurança e praticidade ao dia a dia de quem quer eliminar o excesso de pelos. A seguir, você verá os principais questionamentos sobre a fotodepilação e entenderá qual é o procedimento mais indicado para você.

Qual deles é mais eficiente?

Tanto o laser quanto a luz pulsada entregam o mesmo resultado.

Qual é a indicação?

Antes de iniciar o tratamento, todas as pessoas passam por uma avaliação minuciosa que identifica o fototipo da pele, a cor do pelo e a espessura. Na Não+Pelo, a avaliação é gratuita!

A fotodepilação é muito indicada por médicos para os casos de foliculite e alergias causadas por métodos de depilação com a lâmina e a cera. Aliás, os homens também podem se beneficiar do procedimento para evitar o pelo encravado na barba e nas demais regiões do corpo.

Em quais áreas do corpo é possível fazer a fotodepilação?

A depilação a luz pulsada e a depilação a laser podem ser aplicadas em todo o corpo! Normalmente, são mais procuradas para as regiões em que o incômodo é maior: rosto e região íntima.

Até mesmo as partes que contêm cicatrizes podem passar pelo procedimento. Se a marca for antiga e estiver clara, não há problema. Contudo, é importante evitar as regiões com tatuagens para não sofrer queimaduras.

Assista aos nossos vídeos e entenda como fazemos as divisões de áreas:

https://youtu.be/Zsq85h7U6fo

https://youtu.be/SJHoYNzsBsY

As pessoas com pele negra podem passar pelo procedimento?

A depilação a luz pulsada em pele negra é perfeitamente possível. Por outro lado, o laser não é indicado. Como já explicamos, a luz monocromática do laser é conduzida até a raiz do pelo por meio da melanina. Na pele negra, esse pigmento está presente tanto na cútis quanto no fio. Por essa razão, o laser não consegue distinguir entre a melanina da pele e a do pelo e acaba por atingir ambas. Isso pode causar manchas e até queimaduras.

A radiação da luz pulsada também é conduzida pela melanina. Contudo, como o feixe de luz é policromático, é possível variar a intensidade e o comprimento da luz de acordo com o fototipo da pele. Assim, o calor gerado é adequado para cauterizar apenas o folículo piloso sem causar lesões na pele negra.

Todavia, em qualquer situação, o ideal é sempre buscar uma clínica de confiança para fazer uma avaliação. Dessa forma, um especialista vai analisar cada caso e indicar o melhor tratamento.

É possível fazer depilação a luz pulsada na gravidez? E depilação a laser?

Nem a laser e nem a luz pulsada! Por causa das alterações hormonais comuns durante a gestação, a pele da mulher fica mais sensível, propícia às infecções e inflamações e ainda pode manchar com mais facilidade.

Além do mais, se houver qualquer complicação com a depilação na gravidez, a gestante não poderá usar algumas pomadas e cosméticos adequados para o tratamento. Em razão disso, se possível, o mais recomendado é se programar e incluir as sessões de fototerapia antes de engravidar. Dessa forma, você pode curtir a gestação sem preocupações com o excesso de pelos pelo corpo.

Existem contraindicações?

Sim! Além das gestantes, o procedimento não deve ser feito em pessoas com feridas abertas na pele, câncer, diabetes tipo 1 e doenças fotossensibilizantes — como vitiligo, psoríase, lúpus e albinismo.

Os dois procedimentos ainda não são recomendados para quem usa medicamentos anticoagulantes, corticoides ou aqueles que aumentam a sensibilidade à luz solar.

No mais, quem passou por um tratamento recente com ácido também não deve fazer nem depilação a laser e nem depilação a luz pulsada. O ideal é esperar, pelo menos, 30 dias após a finalização do tratamento para iniciar as sessões de fotodepilação.

As pessoas com melasma podem fazer o tratamento?

As partes com o melasma precisam ser poupadas, pois tanto o laser quanto a luz pulsada podem piorar a situação das manchas. Contudo, as regiões não afetadas podem passar pelas sessões tranquilamente.

É possível fazer durante o verão?

Até é possível, mas o ideal é optar por épocas do ano em que a incidência dos raios solares é menor. Depois de expor a pele ao sol sem proteção solar, a recomendação é aguardar, pelo menos, um mês antes de fazer o procedimento. Já após a depilação a luz pulsada ou a laser, a pele não pode ser exposta por, pelo menos, 15 dias.

E você sabe que fugir do sol nessa época do ano é uma missão bem difícil. É por isso que os cuidados durante o verão precisam ser dobrados. Se a área tratada tomar sol, há riscos de queimaduras e do aparecimento de manchas.

Os pelos caem na hora?

Não! Você vai sair da sessão com o pelo no mesmo comprimento e espessura de quando entrou, porém, a raiz estará cauterizada. É possível notar a queda dos fios entre 7 e 15 dias após o procedimento — tanto a laser quanto a luz pulsada.

Mesmo assim, os pelos voltarão a crescer. Eles passam a nascer mais lentamente e vão enfraquecendo de forma progressiva, conforme forem atingidos pela luz novamente.

Os aparelhos de luz pulsada domésticos têm o mesmo efeito que os usados em clínicas?

Não! A energia emitida pelos aparelhos domésticos é bem inferior aos equipamentos profissionais por razões de segurança. Afinal de contas, quem não tem o conhecimento técnico para manipular o aparelho pode exagerar na intensidade e provocar queimaduras graves na pele.

Justamente por causa da energia mais baixa, não há garantia de eficácia no tratamento feito em casa. Pelo contrário: em alguns casos, o aparelho doméstico pode até estimular o crescimento do pelo. Por isso, nada substitui o procedimento feito em uma clínica especializada.

É possível alternar a fotodepilação com outros métodos depilatórios?

Os procedimentos que arrancam o pelo da raiz — como cera e pinça — estão proibidos, pois prejudicam a eficácia do tratamento. A recomendação é utilizar apenas lâminas, aparadores ou cremes depilatórios, pelo menos, 30 dias antes da fotodepilação.

Contudo, não se deve depilar no dia da sessão. O pelo precisa despontar entre 1 a 3 milímetros para fora da pele para que ele consiga captar a luz e conduzi-la para a raiz. Se estiver maior que isso, é bom apará-lo.

Qual é o método depilatório que causa mais dor?

Sensibilidade à dor é uma condição individual. O que pode ser muito doloroso para alguém pode ser até indolor para outro. Porém, a depilação a luz pulsada é comprovadamente mais confortável. Algumas pessoas não sentem dor alguma.

Qual é o melhor custo-benefício?

A depilação a luz pulsada, além de ser um método que provoca menos riscos à pele, é o tratamento mais barato de fotodepilação. Na Não+Pelo, acreditamos que todos devem ter acesso ao que há de mais moderno em eliminação de pelos.

Em suma, a depilação a luz pulsada e a depilação a laser são métodos de fotodepilação e entregam os mesmos resultados. No entanto, ao colocar os prós e contras na balança, a luz pulsada sai na frente por provocar menos dor e ser um procedimento menos agressivo, que pode ser realizado, inclusive, em peles negras.

Gostou das informações? Então, que tal conhecer como funciona o tratamento de perto? Entre em contato com a Não+Pelo e agende já uma avaliação gratuita!